Ahá!

Hoje é dia de homenagear o modelo da foto, aquele que colocou o “.com.br” no deminhaparte mas, principalmente, esse amigo maravilhoso, com o coração maior do mundo!

Di, é brega, mas é verdade. Você é um presente de Deus pra mim, pra nós, Augustos. Um presentão! Sua generosidade, seu coração bom, sua humildade e carinho com os que te cercam me inspiram. Mesmo! E o melhor é que isso tudo é a representação de quem Deus é em você!

Esse é um tempo especial na sua vida e eu espero que Deus te revele e ensine ainda mais a respeito de quem Ele é e do que mais Ele deseja refletir através de você. Aproveite, mergulhe fundo, aprenda ainda mais, se relacione ainda mais e vc verá coisas cada vez maiores e ainda mais lindas acontecendo na sua vida!

Pode contar sempre com as minhas orações e torcida incondicionais!

Deus te abençoe!

mari.augusto

do assalto e do milagre

Minha última semana em Cape Town tem sido qualquer coisa, menos tranquila. Os últimos dias por aqui tem chegado com muita emoção, mas nada comparado a última terça-feira, 10 de dezembro, que vai sem dúvida ficar marcada como o dia mais dramático e ao mesmo tempo mais feliz da minha vida. Depois de muitas lágrimas e um grande desespero, posso dizer que o que eu presenciei ontem foi um verdadeiro milagre!

Logo pela manhã, eu, Joy (minha amiga coreana), Michael (um dos staffs da base) e Ronnie (tbm staff e grande amigo) fomos para o centro da cidade porque precisávamos resolver algumas coisas a respeito dos nossos vistos.  Porque a cidade tem estado muito movimentada devido a diversos eventos em celebração a Nelson Mandela, resolvemos ir de trem.  Até aí tudo ótimo. Resolvemos tudo e pegamos o caminho de volta. Por muito pouco não perdemos o trem. Corremos a estação inteira pq estávamos super em cima da outra e acabamos sentando no último vagão, que estava quase vazio. Sentamos perto de uma janela que estava sem vidro, completamente quebrada, pra aproveitar o vento ^^ Ronnie e eu sentamos um do lado do outro, ele janela e eu corredor. E Joy e Michael bem de frente pra gente, ele janela, ela corredor. Ronnie e eu estávamos ouvindo música no meu celular, que estava dentro da minha bolsa, no meu colo. Joy dormindo e Michael pensando na morte da bezerra :)

Eu estava sentada de costas para a porta que liga um vagão a outro, mas percebi que um grupo, aparentemente de 5 pessoas, entrou, deixando Ronnie e Michael bem tensos, alertas com a presença dos caras. Ronnie pediu que eu entregasse o meu celular pra ele, pra ele guardar pra mim. A próxima coisa que eu lembro são três homens em volta da gente, um do meu lado apontando uma faca na minha direção. Todos eles estavam gritando e mandando a gente entregar as carteiras e os celulares. Assim que os caras anunciaram o assalto eu entreguei a minha bolsa com tudo dentro.  Imediatamente Ronnie e Michael se levantaram e ficaram contra a janela aberta. Michael estava tentando acalmar os ladrões e um dos caras veio por trás de Ronnie, tomou o meu celular e o dele e foi em direção do peito de Ronnie com a faca. Acontece que ele está agora quase sentado na janela tentando se esquivar. Eu vou pro lado de Joy e abaixo a cabeça, pensando que vou ser esfaqueada também.  Num piscar de olhos – sem exageros, num piscar de olhos – eu levanto a minha cabeça e não vejo mais Ronnie nem nenhum dos bandidos. Só vejo Michael em pé gritando: “O meu amigo caiu da janela, ele está morto! Parem o trem, parem o trem!”  Michael repetiu essas palavras gritando várias vezes, mas o trem continuou em movimento, ninguém podia fazer absolutamente nada.

Foi a pior sensação que eu já experimentei. Nunca me senti tão impotente, tão desesperada quanto naqueles momentos :( Eu não vi a hora em que ele caiu, mas o que eu ouço é que ele está morto e eu estou dentro de um trem em movimento sem poder fazer nada! Gritamos, pedimos, mas nada podia ser feito.  Depois de alguns quilômetros,  o trem parou na estação. Nós descemos, desesperados. A segurança e a polícia chegaram incrivelmente rápido.  Michael então saiu correndo literalmente entre os trilhos pra encontrar Ronnie. Um segurança levou Joy e eu até o escritório da polícia. Foram os momentos mais doídos da minha vida. A gente sem saber onde estava, sem Michael, sendo levadas pra algum lugar por um desconhecido e certas de que nosso amigo tinha morrido, ainda ouvindo os gritos de Michael no trem. Durante o caminho inteiro até o escritório da polícia choramos desesperadamente.

E aqui um detalhe importante: algumas semanas atrás, Ronnie foi diagnosticado com um tumor na cabeça do tamanho de uma bola de kriket.  A apenas três semanas, ele foi cirurgiado, o tumor foi retirado e nós celebramos a sua cura, depois de descobrirmos que o tumor era benigno e que a cirurgia tinha sido um sucesso.

Agora, menos de uma semana desde a sua volta a base, ele cai do trem em movimento…

No escritório, Joy e eu esperamos por um longo tempo até que Michael ligou dizendo que tinha encontrado Ronnie. Assim que viu Michael, Ronnie falou com ele, agradeceu e tentou se levantar.  Ele foi levado para o hospital, conversando o caminho todo.  Fizeram diversos testes e absolutamente nada foi encontrado na sua cabeça, apenas cortes e arranhões e uma fratura no braço esquerdo. A cirurgia não foi prejudicada em absolutamente nada, graças a Deus!

Joy e eu ficamos mais um pouco no escritório da polícia pra sermos interrogadas, até sermos levadas de volta para a base. Hoje a noite fui ao hospital, e ver que Ronnie estava inteiro, falando, sorrindo, fazendo piadas e cantando, foi o melhor presente que eu poderia ter recebido! Ele está sentido ainda muita dor e está esperando para fazer a cirurgia no braço. Mas está vivo, super vivo! Não poderia haver notícia melhor que essa :)

Tudo aconteceu tão rápido, realmente como num filme. Facas, roubo, trem em movimento, queda, morte, vida…é incrível como em circunstâncias assim nós percebemos o quanto somos pequenos e frágeis;  Como a vida é frágil!

Ronnie sempre me diz que a gente tem que aproveitar a vida porque nunca sabemos o que pode acontecer. Em 1 mês, esse mesmo Ronnie descobriu um tumor, foi operado e curado e caiu de um trem em movimento logo em seguida. Eu realmente não sei por que ele de novo, por que com a gente, por que aquele vagão, enfim. Ficam sempre muitos “porquês” sem resposta, mas fica também o testemunho de mais um milagre, de mais algumas páginas de demonstração de poder e graça no roteiro que Deus está escrevendo para o filme da vida de Ronnie. Espero que não só 60, 90 ou 120 minutos mas que esse longa metragem, seja beeeeeem beeeeeeem longo, cheio de muitos sorrisos e bom humor, a representação perfeita do que Ronnie tem sempre sido desde a primeira vez :)

E ao autor da vida, aquele que dá e tira de acordo com o Seu próprio querer e planos, à Ele a minha gratidão por ter escolhido nos poupar e nos deixar ser mais uma vez testemunhas do Seu imenso poder e cuidado ^^ Amém.

mari.augusto

África do meu coração

Faltando pouco menos de 2 meses pra minha volta pra casa e já estou começando a sentir aquela leve agonia que teima em surgir a cada 3 meses quando eu tenho que começar a sessão despedida. Engraçado como essas coias acontecem.

Chegar aqui foi difícil, muito difícil. Não é novidade pra ninguém que a Suíça é o país do meu coração. Qualquer lugar que viesse depois dela, sofreia um certo tipo de preconceito, certo? E com a África do Sul não foi diferente. Quando cheguei, minha única vontade era aprender tudo que eu pudesse e que o tempo passasse voando voando pra eu poder voltar logo pra Suiça. Não queria fazer nenhum amigo, e por algumas semanas eu segui meu plano com certa eficiência. Acordava, ia pra aula, comia, voltava pro quarto, dormia. Ninguém me via, a não ser que eu fosse absolutamente obrigada a interagir com os outros.

Nunca fui tão CDF na minha vida como durante aquelas semanas. Exercícios em dia, pontual nas aulas, enfim. Uma chatice só :D

Mas isso aqui é áfrica, certo? E acho que ninguém pode sair imune a uma temporada em um lugar como esse! Depois de algumas semanas de inverno, a áfrica e eu estamos vivendo agora uma primavera de muito amor <3 Eu finalmente me sinto realmente bem por aqui. É claro que tem muitas coisas difíceis, a base é completamente diferente de Lausanne. Aqui é bem menos organizado, a presença da liderança é quase imperceptível algumas vezes e eu sinto muita falta dos cultos, das devocionais e dos tempos de oração que nós tínhamos tão constantemente na Suíça.

Mas se por um lado eu sinto falta da organização suíça, por outro eu amo a espontaneidade e o clima aqui na África. É tão diferente, tão único! As pessoas são incrivelmente alegres, vivas e a gente dança o tempo todo aqui. O tempo todo! No meio da aula, no supermercado, no meio da rua…. E ninguém te olha estranho. É a coisa mais comum do mundo. A gente dança depois das refeições, na hora da limpeza, nos intervalos das aulas, enfim. Qualquer tempo livre é desculpa ^^ E não é só um passinho pra lá, dois pra cá não! Os garotos principalmente! É cada movimento, minha nossa! Definitivamente, uma das minhas coisas preferidas por aqui!

Outra coisa que eu adoro é o fato de todo mundo falar alto e ao mesmo tempo. Adoro as piadas, especialmente as piadas entre negros e brancos ^^ É muito engraçado como eles mesmo se chamam assim! Tem música de preto e música de branco, comida de preto e comida de branco, piada de preto e piada de branco. E não tem nada a ver com a cor, segundo eles. Ser preto ou branco é definido pela sua maneira de ser, as coisas das quais vc gosta, enfim. Esses dias descobri que eu sou preta \o/\o/\o/ Amei, claro! Eu já desconfiava, mas essa semana fui oficialmente reconhecida como tal ;D O pessoal ficou doido quando eu mostrei uma foto do meu avô, que é mulato.

-Eu sempre soube, Mariana. Vc é muito preta, olhai a prova! ^^

Eu tenho até um nome africano, olha que chique! Eles me chamam de Tandi (ou Tita), que significa amor <3 Fofo, ne?

Outra interessante por aqui é como eles dão valor a idade. Se vc for mais velho, ainda que por alguns meses, vc merece respeito – e muito respeito. Na Nigéria, por exemplo, não é permitido nem mesmo olhar nos olhos dos mais velhos. Um dos alunos daqui, depois de me ouvir dizendo que eu tenho 24 anos, disse que eu não deveria ter revelado a minha idade porque agora todos os outros garotos ficam com medo de falar comigo, porque eu tenho que ser respeitada. Haha! Esse país é muito engraçado!

Uma das minhas coisas preferidas é quando eles começam a falar na língua mãe deles. Na África do Sul existem 18 línguas oficiais. 18! É uma loucura quando eles decidem conversar em zulu, ndebêle, xosa! E todas essas línguas são muito parecidas, então apesar deles não falarem a língua um do doutro, eles todos se entendem. Xosa é a minha preferida. O X é pronunciado fazendo um estalo com a língua. Super difícil, mas super legal!

Africanos são, aparentemente, generosos. Logo que eu cheguei, fui introduzida a um tal de “obuntu”, que nada mais é do que o hábito de repartir. Se vc chega com um pacote de biscoito ou qualquer outra coisa, todo mundo começa logo a gritar: “obuntu, obutu” E ai, não tem jeito…. tem que dividir mesmo! Por isso que eu só como escondida! Não, brincadeira :D

Falando em comida, esse povo é doido por frango! Tem um mercadinho aqui na frente da base e todo santo intervalo os meninos correm lá e voltam com um saco de coxa/asa de galinha assada. A luta aqui por um pedaço maior de frango na hora das refeições é grande! O pessoal faz altas negociações :)  Todo domingo a noite comemos frango, sem falta! É o dia mais feliz da semana, o refeitório lota! Alô pessoal adepto de retiros! Alguém se identifica? ^^

Outra coisa que eu admiro aqui é a disposição, a vontade de ajudar que eles todos tem. Diferente da Suiça. Na Europa, é difícil as pessoas perceberem que vc precisa de alguma coisa, a não ser que vc se manifeste. Aqui não. As pessoas são bem mais amáveis, colaboram mais, são mais flexíveis. A base é bem desorganizada, mas ninguém faz nenhum tipo de drama. Ao contrário, a gente faz é piada e colabora um com o outro. A gente reclama um pouquinho aqui, um pouquinho ali, mas nada de que não seja resolvido em um segundo. Outra coisa que é sempre resolvida em um segundo são as brigas. Durante esses meses, testemunhei algumas “calorosas discussões” entre os meninos. E esse pessoal é bem intenso, vou te contar! De repente eles começam a gritar mesmo, se levantar da cadeira…quando eu penso que o negócio é sério já está todo mundo dançando junto de novo :D

Ai, África… não existe absolutamente nada parecido com isso aqui! Esse continente todo já tem um espaço enorme no meu coração e sem dúvida vai deixar muita saudade!

mari.augusto

p.s: tem mais uma coisa que eu absolutamente adoro por aqui: os garotos. Sério, os garotos africanos são os melhores que eu já conheci no quesito amizade! São super divertidos, carinhosos, dançam pra caramba, são cavalheiros,…só não dá pra casar com nenhum deles porque eles são meio machistas. Acho que alguns ainda vivem na idade da pedra e querem que as mulheres passem a vida toda em casa fazendo comida, limpando os móveis e cuidando das crias. Quanto mais eficientes nesses quesitos, mais valor nós tempos pra eles. Mas se vc não quer namorar, nem casar, nem manter nenhum tipo de relacionamento além de uma boa amizade, eles são os melhores! <3 <3 <3 Eu disse que a África e eu estamos apaixonados, não disse?

yow!

corridinha uma vez em 3 meses :)

chá suíço na África do Sul

selfies na hora do intervalo ^^

ali no cantinho ^^

Cape Town tour

Joy e eu na dieta – tentativa 582

olha só como é glamurosa a vida de uma produtora ^^

simba chips fans :)

meu milk shake de peanut botter gigante :D

o incentivo do pessoal da cozinha quando eu resolvo dar uma de atleta

Muizenberg

tem alguma coisa entre coreanos e eu que eu não sei explicar, mas eu sou definitivamente uma apaixonada por esses olhinhos puxados ^^

Churrasco aqui eh assim no maozão mesmo ^^

os 9 apertadinhos nesse pobre carro

SVP em alguns parágrafos

Ok, eu já desisti de fazer desse blog um diário ou qualquer outra coisa que precise de constante atualização. Não que falte notícias pra dar, mas meus dias definitivamente deixam pouca ou nenhuma brechinha pra sentar na frente do computador pra fazer nada que não seja editar ou assistir/fazer críticas de filmes.

Mas, ainda que capenga e desatualizado, esse pobre blog ainda é um dos meus escapes favoritos. Seja com notícia nova ou velha, seja pra compartilhar com vcs ou pra conversar comigo mesma, eu sempre adoro vir por aqui!

E dessa vez eu tenho mesmo um montão de coisas super legais pra contar! 4 semanas atrás eu conclui a minha escola de vídeo produção (SVP) depois de 3 meses de muito aprendizado, MUITO stress,  novos amigos, muitas novas histórias \o/ Esse curso foi, sem dúvida, o maior desafio dos últimos anos. Sério! Eu sei que a cada final de trimestre eu digo a mesma coisa, mas é verdade. Hoje eu ouvi alguém dizer que “Deus é radical, mas é bom”. Verdade. Pra mim, é como se Ele me colocasse no topo de um montanha e me mandasse pular. Eu – cheia de medo – pulo. E faço melhor vôo que já imaginei. Algum tempo depois, Ele me coloca em uma montanha ainda mais alta, e depois outra mais alta ainda. Eu continuo com medo, mas continuo pulando e me surpreendendo com a delícia que é voar tão alto ^^ É assim que eu vejo a minha vida quando olho pros últimos meses.

Essa escola foi, definitivamente, o pulo mais alto que eu dei. Tudo foi muito intenso, mas tão recompensador! Reconheci velhas paixões e descobri mais um montão de outras novas. Descobri como ter uma câmera nas mãos pode ser fascinante! Como é legal mostrar o mundo através dos meus olhos! Olhar pra uma cena qualquer do dia-a-dia e imaginar um filme. Os ângulos, os movimentos, a iluminação, a trilha sonora.

Durante o curso, tivemos 3 grandes projetos: 1) Soft News, um vídeo de 3 minutos contando uma história relevante sobre uma pessoa, um grupo ou uma instituição; 2) PSA, um vídeo promocional de 30, 45 ou 60 segundos que tem como objetivo vender uma ideia da maneira mais criativa possível; 3) Clipe Musical; Para os três projetos decidi fazer câmera. Bom, no primeiro tbm fiz roteiro e produção, e esse foi o projeto mais traumático pra mim. Chorei, quis fugir, arrancar todos os cabelos, mas sobrevivi ^^. Acho que me aventurar no mundo das lentes foi a melhor coisa que eu fiz. Tentei, experimentei coisas novas e descobri que isso não é o que me motiva. Ás vezes, é importante saber o que vc não é. E eu não sou uma apaixonada por tecnicalidades mesmo! Posso ser uma boa camera woman, mas o que eu gosto mesmo é de descobrir novas histórias e contar novas histórias. Gosto de palavras e descobri que eu tbm amo tirar as palavras do papel e vê-las virarem imagens.

Acho que essa era a parte que faltava na minha paixão por jornalismo. Sempre achei que gostasse de notícias, mas isso não é verdade. Não é de informação que eu gosto, necessariamente. Não é informação que me move. Eu não quero informar as pessoas, eu quero transformar a maneira como elas vêem e respondem a uma informação. Acho que é por isso exatamente que eu sou apaixonada! E produzir filmes é, sem dúvida, uma das formas mais bonitas e eficientes de trazer transformação!

Deus, mais uma vez, mudando as minhas perspectivas, me dando novos sonhos, novas paixões, me colocando sempre em montanhas cada vez mais altas. Escalar essa montanha foi muito cansativo, meio amedrontador, um pouco inseguro. Mas como foi bonito chegar no topo!  Ver o quanto eu aprendi, os amigos que fiz, os lugares lindos que eu vi, as culturas novas que eu experimentei…agora, são mais 3 meses de uma nova escalada. Provavelmente difícil tbm, mas sem dúvida com uma vista ainda mais bonita e recompensadora.

P.S: Quando me inscrevi para esse curso, uma das minhas preocupações era o fato de que o diploma não teria validade no Brasil porque a escola Media Village não era reconhecida como uma instituição de ensino nem mesmo aqui na África do Sul. Mas Deus, que é riquíssimo em graça e muuito amor, permitiu que esse trimestre a escola começasse a emitir diplomas reconhecidos nacional e internacionalmente. E não só isso: o curso de Video Produção, devido ao currículo e intensa carga horária, apesar de durar 3 meses, é considerado um curso  de 1 ano ^^ Ou seja, nós somos a primeira turma que está saindo com diplomas – de 1 ano –  reconhecidos! Uhuu!

dos garotos e casamentos

Coisas que vc precisa saber sendo uma brasileira solteira na África:

- Africanos gostam dessa coisa de casamento. Os caras mais ainda. Eles querem casar de todo  jeito, sei lá porque :O

- Eles acham que brasileiras são as coisas mais maravilhosas do mundo; vc pode ser a baranga que for, mas se estiver vindo do Brasil, já está qualificada como uma criatura de incrível beleza;

- Africanos não são de muita enrolação. Se eles querem alguma coisa, não tem essa história de deixar no ar. É preto no branco.

- Juntando as três observações acima, temos: eles vão querer casar com você. E vão deixar isso bem claro. Mas de um jeito engraçado, bem engraçado.

- Eles vão sempre falar espanhol com vc pra chamar a sua atenção, não importa quantas vezes vc repita que o seu idioma é português;

Esses dias estava jantando com os meninos, e claro que o assunto casamento saiu de algum lugar inesperado =D Eles estavam me contando como aqui na África muitos casamentos acontecem ainda baseados no sistema do dote. Fiquei impressionada com as histórias! Eles contaram que quando um homem se interessa por uma mulher,  ele nem fala nada com ela; vai direto conversar com os futuros sogros e diz o quanto pode e pagar pela filha deles. E detalhe: em vacas! :O Os meninos explicaram como essa é uma forma de mostrar o valor que a mulher tem pra eles, porque o número de vacas vai depender tbm da beleza, da educação, das “qualificações” da pretendida. Ah! E se a vaca tiver grávida vale mais, viu?^^

Sempre morro de rir com esses meninos e com essas histórias de casamento :D Quando eu começar a enjoar da vida de solteira, já sei onde posso encontrar um marido J Brincadeira, pai! ^^

mari.augusto

A física, Ele e eu

Hoje tivemos aula de áudio. Antes da aula começar, minhas expectativas não eram das melhores: estudar microfones, equalização, ressonância…minha memória foi lá pras velhas aulas de física e não foi nada legal lembrar daqueles dia sufridos ^^

Mas as horas seguintes foram uma surpresa daquelas muito agradáveis. Mark Dickson, nosso professor, está fazendo PHD em alguma área que tem a ver com som, mas que eu não prestei muita atenção, confesso ^^ E ele é também pastor. Mark começou a aula lendo 1 Coríntios 12, falando sobre a unidade do corpo de Cristo. Já fiquei interessada. “Como esse cara vai falar sobre áudio e começa discursando sobre 1 Cor 12? Dali, ele começou a falar sobre evolucionismo, sobre iluminismo, sobre o projeto genoma. Nos minutos seguintes, ele já tinha conquistado minha total atenção e interesse. Eu ainda estava tentando entender como o áudio ia entrar na história, quando de repente ele já estava lá, falando como os sistemas de som funcionam exatamente no modelo dos nossos ouvidos, que foram perfeitamente criados por Deus. Como todos esses milagres tecnológicos que a gente experimenta todos os dias não são nada mais nada menos do que o resultado de alguma coisa muito maior, que é a forma impecavelmente complexa e inteligente como Deus nos criou. Ai, que alegria! Sério, eu fico completamente encantada quando eu encontro cientistas, filósofos, estudiosos cristãos (alô, Nivaldo!). Gente que olha pra esse universo e consegue ver e entender não só a beleza dele, mas a beleza e poder do criador dele! Eu acho mesmo que Deus é muito mais real e prático do que a gente considera na maioria das vezes. Deus e as coisas desse mundo não estão em dimensões diferentes. Deus se revela tbm nossa humanidade. Na ciência, na tecnologia, nas artes… Ele é tão real, tão presente, tão lógico! E eu adoro servir a um Deus assim. Um Deus que me deu a oportunidade de construir esse mundo com Ele! Sério, essa ideia me fascina! Agora mesmo eu tô ouvindo uma música que diz “a música do universo toca e canta ‘Tu és Santo, grande e digno’. A lua e as estrelas declaram quem o Senhor é (…) pra sempre meu coração vai cantar quão grande Tu és”. Verdade. Pra sempre meu coração e, não só ele, mas as minhas palavras, os meus textos, os meus vídeos, as minhas edições, os meus áudios, vão declarar quem o Senhor é, quão vivo, quão real, quão criativo e perfeito em cada detalhe o Senhor é.

E dali, sem que eu percebesse, Mark tinha feito Htz, Voltz e até Log fazerem todo o sentido pra mim. “Matemática é uma linguagem, uma linguagem que Deus usa pra explicar a maneira perfeita como Ele criou o universo”. Eu continuo sendo uma aluna bem mais ou menos no que diz respeito a essa tal linguagem. Mas acho que depois de hoje nunca mais vou ver uma equação, um gráfico ou um microfone do mesmo jeito :) Porque ainda que não fale muito bem a língua “matemática”, ela agora soa muito mais bonita nos meus ouvidos.

mari.augusto

P.S: A melhor parte foi quando a gente tava falando sobre ressonância e um dos alunos mencionou a história de Josué e os muralhas de Jericó como um exemplo J Tive certeza de que física teria sido muito menos traumática pra mim se eu tivesse tido colegas e professores como esses ^^

Créditos Fotos: Media Village Productions

Piadjenhas ^^

A líder da nossa escola é uma nigeriana super fofa e muito bem humorada. Vez em quando ela vem com umas piadas que eu morro de rir. Ela usa uns termos de comunicação e mistura com uns versículos da bíblia pra explicar o que ela quer dizer. Acho tão criativo que resolvi copiar algumas e postar algumas pra vocês. Talvez só eu ache graça, mas enfim, eu tô acostumada a ser a única a rir de todas as besteiras do mundo ^^Tentei traduzir pro português. Espero que faça algum sentido. Lá vai:

- “Special effects cover a multitude of sins”/ Efeitos especiais cobrem um multidão de pecados;

- “Come clean before the throne of grace; no special effects, please”/ Venha limpo diante do trono da graça; nada de efeitos especiais, por favor;

- “This shot is living in the shadow of darkness” / Esse shot (take) está vivendo na sombra da escuridão;

- Some pans are like the mercy of God: endures forever / Algumas panorâmicas são como a misericórdia de Deus: duram para sempre.

- “When you are shooting, look at the lead room. Look at the space you left behind. All things has passed away”; Quando vc estiver filmando, olhe para o lead room. Olha o espaço que você deixou pra trás. Eis que as coisas velhas se passaram”;

- “If you see talent, click and drag. Put it on the server”/ Se você encontrar algum de talento, clique e arraste. Coloque no servidor”

Anne, falando da nossa média pra se aprovado no final da escola:

- “It’s 5. But, seriously, 5 is let my people go. It is not the result I expect from you” / É 5, mas sério, 5 é ‘deixe meu povo ir’. Esse não é o resultado que a gente espera de vocês;

Anne é fofa demais! E não só fofa. Ela é muito talentosa, muito engajada em questões internacionais como tráfico humano, por exemplo. Corajosa, cheia de fé e de muitas histórias inacreditáveis. Acho um grande privilégio poder ser liderada por uma pessoa assim :)

Nos próximos posts, algumas das produções aqui da Media Village e um pouquinho das lindas histórias e do grande impacto que essa base tem trazido pro mundo.

Beijo, gente!

 

África por mim

Sabe todas aquelas coisas que você pensa quando falam a palavra áfrica? Acho que estar aqui é simplesmente ver todas essas coisas virando realidade bem na sua frente. É basicamente isso. Ai você vai dizer: “ah, mas vc ta na áfrica do Sul, não dá pra generalizar um continente inteiro baseado em um só país”. Não, eu não tô na áfrica do Sul, eu tô na Jocum. E acreditem: isso aqui sim é o mundo todo num lugar só. Hoje mesmo jantei com a Nigéria, Uganda e Zimbábue de uma vez só :)

E por isso mesmo eu posso dizer que esse é realmente um continente abençoado. Não sei se pelo fato de ter passado uma temporada na Europa, mas acho que tinha me desacostumado com tanto barulho, tanta festa, tanta espontaneidade, tanta música! Acho que inclusive decepcionei alguns aqui quando disse que era brasileira…cheguei meio borocochô, estilo meio suíço, tipo ‘eu preciso de um tempo pra me adaptar, preciso do meu espaço pessoal’. Acho que eles estavam esperando que eu chegasse sambando, com umas frutas na cabeça, enfim J A Suiça deixou mais dela em mim do que eu imaginava, mas aos poucos eu estou recuperando minha brasileirice. Aos poucos eu tô descobrindo que eu não preciso mais obedecer 1 milhão de regras pra fazer as coisas mais simples, não preciso agendar horários pra conversar com ninguém, não preciso conversar tendo alguém do meu lado dizendo pra eu falar mais baixo…  acho que a áfrica está aos poucos trazendo o Brasil pra perto de mim de novo ^^

E, honestamente, eu gosto dessa bagunça, dessa desorganização (no bom sentido). Gosto do fato das coisas girarem mais em torno das pessoas do que das regras. Eu gosto da espontaneidade, gosto da música, das danças, das tirações de onda, das conversas nos volumes mais altos. Gosto do fato de ninguém admitir que você fique parado. Você tem que dançar, tem que cantar, tem que falar, fazer alguma coisa que mostre que vc tá vivo. E bem vivo! A África é mesmo um depósito de muita alegria, muita disposição, muita vida!

Cada dia eu me sinto melhor aqui. E nem dá pra ficar muito tempo parado pensando no que passou. Alguém vai tocar uma música, começar a dançar dos jeitos mais esquisitos, te arrancar várias gargalhadas e te trazer de novo pra essa realidade cheia de alegria! Sério, gente, esse povo é muito divertido! Os blacks são os meus preferidos! Os brancos são legais também, mas os blacks são sensacionais! Adoro o sotaque, as piadas, as reações, o fato de eles sempre falarem como se estivessem fazendo um rap =) Eu só ando metida com eles. E com os meninos ainda mais! Na hora das refeições, eu procuro a mesa mais black e mais masculina possível porque sei que as melhores gargalhadas saem de lá ^^ As meninas são fofas, mas diversão mesmo é com os black guys. Se for dança, então, minha nossa! Eles dançam demais! :O Dá até vergonha de dançar perto deles!

Enfim, aos poucos tô me encontrando e me redescobrindo aqui. É claro que de vez em quando bate aquela “suissez”, aquela vontade de ser só você por alguns segundos, de não ter que socializar o tempo todo. Mas nada que uns bons gritos, algumas piadas e muita música não resolvam :)

TIA! This is Africa \o/

mari.augusto

Créditos Fotos: Media Village Productions

Videoproducing :)

Mais uma semana por aqui e mal dá pra acreditar que já tenho 1 mês de escola :O

São muitas coisas novas, muito aprendizado, muito stress, um montão de coisas rolando ao mesmo tempo! Cada dia é um turbilhão de novidades…Mesmo! Como temos só três meses de escola e muito conteúdo, o ritmo é incrivelmente puxado, mas cada segundo tem valido a pena, sem sombra de dúvidas! Até agora tivemos aulas de edição (Final Cut Pro), câmera, roteiro, produção, audio e um seminário sobre trilha sonora.

É sensacional poder aprender tudo isso em um ambiente como esse! Gente do mundo todo, ideias diferentes, personalidades diferentes, línguas diferentes! Eu me sinto muito privilegiada por ter passado pela universidade, ter recebido o conhecimento acadêmico, ter experimentado o mercado, e agora poder me especializar em videoprodução com uma perspectiva cristã. Eu já era apaixonada por comunicação, mas minha paixão ganhou um sentido completamente novo desde que eu comecei a entender o poder que Deus colocou nas minhas mãos pra impactar as nações através da mídia. Sério, minha cabeça fica borbulhando com novas ideias e projetos que tragam transformação, que tragam entendimento sobre quem Deus é, sobre o que Ele deseja fazer no mundo.

E ai, eu chego aqui e encontro um montão de gente com mais um milhão de ideias super legais e criativas pra glorificar esse mesmo Deus! É realmente maravilhoso poder viver essa experiência! Nada do que eu já vivi antes no meio jornalístico se compara a isso aqui! Professores que estimulam a minha criatividade, que dizem que eu preciso orar e entregar os meus roteiros, minhas entrevistas, minha edição a Deus antes de qualquer coisa, staffs que se disponibilizam a passar os dias de folga deles me ensinando a operar a câmera, sentando do meu lado até altas horas da noite, fazendo e refazendo a edição comigo…:) eu sei que o mundo ai fora não se parece nem um pouquinho com o que eu vivo aqui porque eu já estive lá, e por isso mesmo eu sei que essa é uma oportunidade única: aprender mais sobre comunicação, rodeada de gente do mundo inteiro mas com um só propósito. Aprender, trabalhar, se desenvolver não só pra ganhar um salário no final do mês, mas pra fazer a diferença no mundo, pra contar a todos os povos desse planeta a história mais bonita que já se ouviu falar! Sério, eu não consigo conter o sorriso quando eu penso no lugar onde Deus me colocou. Nunca vou me cansar de agradecer, nunca!

Acho que em nenhuma outra escola eu receberia o que eu recebo aqui. É praticamente atendimento 24h J Talvez por conta do meu histórico UFRN, eu estranhe tanto o fato de ter sempre alguém do meu lado me explicando cada passo a passo outra e mais outra vez, pegando os próprios carros e me levando pro meio da rua pra eu gravar minhas entrevistas, me dando horas extras de aula, me aconselhando, orando por mim, perguntando porque eu ainda não sorri hoje…até massagem rola quando o estress aperta :D

E o stress aperta mesmo, eu garanto. Nem na faculdade eu tinha tanta coisa pra fazer! São muitos trabalhos, projetos em grupo, além do frio e dos conflitos naturais da vida em comunidade. Faz 4 semanas que eu estou em Cape Town e só tive a chance de ver a cidade uma vez, e mesmo assim porque eu literalmente fugi depois de um dos projetos do final de semana. E como valeu a pena! Passo tanto tempo enfiada aqui na base que não fazia nem ideia de como um passeiozinho bobo ia me fazer tão feliz!

Não tem ônibus aqui por perto e o “ponto turístico” mais próximo é o shopping, que fica a 45 minutos caminhando (morro acima, devo dizer) :O E nesse tempo de chuva, 45 minutos de caminhada pode não ser lá das coisas mais agradáveis. Por isso mesmo, eu tô sempre em busca de uma oportunidade de ver o mundo lá fora =) Daqui pra dezembro eu tenho fé que esse dia vai chegar. Por enquanto, a ilha de edição é o único lugar que eu tenho visitado com frequência. A câmera, tripés, microfones e refletores, meus amigos mais próximos. E as críticas de musica e filme, minha “diversão” toda semana.

Mas eu gosto, tenho que admitir. Eu choro, me estresso, faço tudo errado, me arrependo de ter vindo, mas no final do dia, a coisa que eu mais quero é uma nova chance de fazer tudo novamente. E dessa vez melhor.

Com um pouquinho de atraso, o podcast da semana 4 pra vocês curtirem um pouquinho da áfrica do Sul comigo tbm :) O video ta em inglês, mas já dizia um pessoal ai que uma imagem vale mais que mil palavras, então lá vai:

mari.augusto

Créditos Fotos e Video: Media Village Productions

Começou!

Essa foi oficialmente nossa primeira semana de aulas e já deu pra perceber que os próximos meses vão ser qualquer coisa, menos fáceis. O ritmo aqui é realmente muito, muito puxado. Começamos as manhãs com devocionais, louvor ou intercessão e aulas até a hora do almoço. Temos um break de uma hora, depois fazemos o que eles chamam de ministério prático, que é trabalhar servindo a base, tipo limpando a cozinha, arrumando os quartos, ajudando no jardim, enfim.  Logo depois, mais 3 horas de aula. Depois um break 45 minutos pra galera quer quiser fazer alguma atividade física e finalmente o jantar \o/

Fora isso, nós temos que entregar trabalhos semanais. Temos que fazer journals, que são como se fossem diários e, no nosso caso, a gente tem que escrever toda a semana 10 ideias criativas que você gostaria de ver em um vídeo e representar essas ideias com figuras, pinturas, diferentes texturas, enfim…da forma mais criativa possível. Além disso, a gente tem um tal de Music Mood. Toda a semana, nós recebemos 3 músicas diferentes, e  gente tem que fazer uma critica de cada uma, falando sobre os intrumentos que vc consegue perceber, que tipo de emoções a música traz, os tons, os ritmos, todos os detalhes possíveis. E pra quem achar que é pouco, ainda tem a crítica de um filme que a gente assiste e discute toda a quarta-feira. Em 500 palavras, a gente tem que descrever sobre atuação, iluminação, câmera, cortes, efeitos visuais, sonoros, bla, bla, bla… tudo isso TODAS AS SEMANAS! Fora um livrinho pequeno que temos que ler, os artigos e atividades em sala de aula que os professores pedem e os projetos especiais para os finais de semana. Todo sábado e domingo nós vamos receber diferentes tarefas que devem ser iniciadas e finalizadas nesses dois dias. E descanso não tá na tabela de horários. Free time é qualquer hora entre essas besteirinhas que a gente tem que fazer todo dia :)

Apesar de todas essas informações digamos, meio assustadoras, eu tô cada dia mais animada com essa escola! Essa semana tivemos aula com uma musicista profissional, que trabalha compondo trilhas sonoras pra filmes aqui na áfrica do Sul. Foi super legal! Também tivemos aula de edição e estamos aprendendo a usar o Fianl Cut Pro. Devo dizer que eu sou uma jornalista meio fubá no quesito tecnologias modernas, mas acho que por isso mesmo adorei as aulas! Tudo pra mim foi muito novo e mesmo sendo só a primeira semana, parece que foi um semestre inteiro de aulas. Talvez porque eu não soubesse nada antes, tudo é um super aprendizado! :) Nossa professora a principio pareceu daquelas nerds doidas (tá, acho que ela é um pouquinnho), mas ela é gente boa e muuuuuito fera! :O No começo de toda aula, ela bota uma música bem animada e a gente começa o dia dançando. Bem estilo áfrica, ne?

Tô gostando demais, mas eu já consigo me ver arrancando os cabelos nos próximos dias, a medida que as tarefas forem se acumulando e a pressão aumentando…até agora devo dizer que sou uma aluna exemplar. Por incrível que pareça, a primeira a terminar os trabalhos. Algumas das vantagens de ainda não ter muitos amigos por aqui…Faço tudo dentro do prazo, vou dormir as 9:00 da noite, é uma maravilha. Mas é sério, essas aulas são mesmo muito estressantes. Quando a gente tem o break, todo mundo, sem exceção, vai fazer alguma atividade física pra relaxar. Até eu inventei de correr agora, gente. Até eu, acreditam?

Vamos ver o que vai ser de mim no fim desses três meses. Provavelmente com alguns cabelos brancos, correndo alguns poucos kms talvez, mas ainda rechonchudinha, com certeza, porque com a quantidade de pão que se come aqui nessa base não tem corrida que resolva :( Balofinha ou mais balofinha ainda, eu espero de verdade poder aproveitar ao máximo essa escola, aprender, descobrir e viver tudo o que Deus tem pra mim nesse tempo.

Esses dias já foram o suficiente pra eu perceber o quanto eu sou apaixonada por comunicação, o quanto eu gosto de trabalhar nessa área ainda mais com uma perspectiva cristã. Pensar novos projetos que me realizem e engrandeçam o nome de Deus. Não poderia haver um ambiente melhor pra estar. Não existe mensagem que eu deseje comunicar mais e melhor do que a mensagem de quem Deus é. E eu só posso agradecer pela oportunidade que Ele tá me dando de usar a minha paixão para poder contribuir para o Seu reino. Só posso dizer que eu tô feliz. Com algum medo e insegurança, mas com muita expectativa pelo que está por vir :)

mari.augusto